fbpx

Gengivite: Entenda mais!

causas da gengivite
8 minutos para ler

Não são apenas os dentes que podem apresentar problemas, pois existem algumas doenças bucais que afetam outros tecidos. Elas exigem atenção porque podem evoluir para quadros graves, sendo a inflamação na gengiva um exemplo disso, mas para combater esse mal é preciso conhecer as causas da gengivite.

Esse é o nome dado para o processo inflamatório que afeta o tecido gengival. É uma condição muito comum que pode se manifestar em pessoas de qualquer idade. Ela está relacionada com diferentes causas, principalmente a escovação inadequada.

Neste artigo falaremos sobre a gengivite, suas causas, sintomas e tratamentos. Veja também quais são as complicações decorrentes desse quadro e o que você pode fazer para evitar que suas gengivas fiquem inflamadas. Continue lendo!

O que é gengivite?

A gengivite é uma inflamação que afeta o tecido gengival, ou seja, a gengiva. Consiste em uma resposta do sistema imunológico na tentativa de combater micro-organismos agressivos que se instalaram nessa região. Ela pode comprometer apenas um, vários ou todos os dentes, desencadeando sintomas que se intensificam conforme a inflamação evolui.

É causada, principalmente, pela placa bacteriana, também chamada de biofilme, uma fina película composta basicamente por resíduos de alimento que aderem à superfície dos dentes e se depositam no sulco gengival. Ela se forma quando a higiene da boca não é realizada adequadamente.

Quais são as causas da gengivite?

A causa mais comum da gengivite é a falta de higiene bucal adequada, que favorece o acúmulo da placa bacteriana nos dentes e na gengiva. As bactérias se alimentam dos resíduos de comida que formam o biofilme e, nesse processo, liberam ácidos que agridem os tecidos e estimulam a resposta inflamatória.

Alterações hormonais que ocorrem na puberdade, no ciclo menstrual, na gravidez e na menopausa também desencadeiam episódios de gengivite. Isso ocorre porque as variações na produção de hormônio afetam a imunidade da gengiva e deixam a resposta inflamatória mais sensivel às bactérias.

Os diabéticos são outro grupo com maior propensão para o desenvolvimento dessa inflamação. A presença de glicose em excesso no organismo afeta a circulação sanguínea, a imunidade e favorece os processos inflamatórios em todo o corpo, incluindo a boca.

Outras enfermidades e fatores que também podem desencadear ou favorecer a gengivite são:

  • herpes labial;
  • epilepsia;
  • cáries;
  • AIDS;
  • leucemia;
  • tártaro;
  • tabagismo;
  • hipovitaminose;
  • reações alérgicas;
  • má oclusão;
  • ausência de restaurações;
  • baixa produção de saliva;
  • alguns medicamentos;
  • exposição a metais pesados, como chumbo e bismuto.

Ao contrário do que muitos acreditam, as causas da gengivite não estão relacionadas com a hereditariedade. Isso significa que a inflamação não é um problema que passa de pai para filho, mas ocorre quando existem condições apropriadas para o desenvolvimento das bactérias.

O que realmente pode acontecer é de uma pessoa apresentar gengivas mais sensíveis em função da sua genética. Nesse caso, ela apresenta uma propensão maior para a inflamação, porém, se mantiver os devidos cuidados com sua higiene bucal e o equilíbrio da saúde, a gengivite não se manifestará espontaneamente.

Quais são os sintomas da gengivite?

Quando a gengivite ainda está no começo nem sempre ela apresenta sintomas que incomodam. Conforme a inflamação progride, essas manifestações podem ser percebidas pela própria pessoa, sendo as mais comuns:

  • inchaços;
  • mau hálito;
  • sensibilidade;
  • vermelhidão no contorno dos dentes;
  • exsudato (liberação de líquidos orgânicos);
  • sangramentos espontâneos, durante a mastigação, escovação ou uso do fio dental.

Esses sintomas ocorrem quando o osso e os tecidos responsáveis pela fixação dos dentes não foram danificados. Porém, quando a gengivite se intensifica e evolui para uma inflamação mais grave (periodontite) ela manifesta:

  • alterações no paladar;
  • retração gengival;
  • descolamento da gengiva;
  • formação de abscessos;
  • reabsorção óssea;
  • mobilidade dentária (dentes moles).

Por isso, é muito importante estar atento aos sintomas iniciais da gengivite e procurar um dentista se você perceber alguma alteração em sua boca. O profissional fará uma avaliação completa e diagnosticará a gengivite precocemente.

Não é necessário realizar exames para isso. O diagnóstico da gengivite é clínico, baseado nos sintomas relatados pelo paciente e sinais percebidos pelo especialista. Quanto antes o quadro for identificado mais fácil será o tratamento e menores os prejuízos para a saúde bucal.

Como é feito o tratamento da gengivite?

Os episódios iniciais de gengivite podem regredir desde que a escovação siga uma técnica bem orientada e o uso do fio dental seja constante. Isso é suficiente para eliminar as bactérias que estão estimulando o processo inflamatório, possibilitando ao organismo se restabelecer sozinho.

Quando o quadro já está um pouco mais evoluído é preciso que o dentista faça intervenções para controlar a inflamação, como é o caso da remoção do tártaro, feita por meio da tartarectomia (raspagem).

O profissional remove a placa bacteriana calcificada na região subgengival, na borda da gengiva e entre os dentes. Ele utiliza instrumentos específicos, como a cureta e a caneta de ultrassom, bem como jatos ou sprays de bicarbonato.

Alguns pacientes podem precisar de medicamentos anti-inflamatórios, antibióticos e produtos específicos, creme dental e enxaguante bucal, para combater a inflamação, as bactérias e a formação da placa. Quando essas intervenções não surtem os efeitos esperados, nos casos mais graves pode ser necessária a cirurgia periodontal.

O que acontece se a gengivite não for tratada?

Como as causas da gengivite se relacionam principalmente com a higiene bucal mal realizada, essa inflamação é um mal que se inicia de fora para dentro. Isso significa que a primeira região a ser afetada são as bordas do tecido gengival.

Nessa primeira fase, não há um grande comprometimento do periodonto, o conjunto de tecidos que sustentam os dentes. Esse é o momento ideal para fazer o tratamento porque, como dito, a tendência é de que o quadro se intensifique, afetando outras regiões e se tornando ainda mais grave.

Quando isso acontece, manifesta o problema chamado periodontite. Essa forma mais grave da doença compromete todos os tecidos ao redor do dente. Como consequência, eles são perdidos aos poucos, ocorrendo a reabsorção óssea e a retração da gengiva. Então, os dentes não têm mais uma boa base de fixação, ficam moles e podem se soltar.

A inflamação progride assim porque algumas substâncias presentes na saliva se fixam na placa bacteriana, intensificando o processo inflamatório. Desse modo, há condições favoráveis para a formação da bolsa periodontal, que afasta a gengiva dos dentes, facilita a contaminação por bactérias e o desenvolvimento de tártaro (cálculo dental).

A endocardite bacteriana é uma complicação grave da periodontite. Nesse caso, as bactérias instaladas nas bolsas periodontais podem atingir a corrente sanguínea e migrar para o coração. Elas se alojam nas válvulas cardíacas lesionadas, comprometem a circulação do sangue e o funcionamento do coração, podendo levar à morte.

Como prevenir a gengivite?

Como a principal das causas da gengivite é a falta de higiene bucal, a escovação adequada dos dentes e o uso do fio dental após as refeições e antes de dormir são indispensáveis. Isso para todos, mas em especial para aqueles com maior propensão para a inflamação.

É fundamental manter a saúde orgânica em equilíbrio, fazer o tratamento de condições que favorecem a gengivite e passar por consultas odontológicas a cada seis meses, a fim de fazer a limpeza de consultório e diagnosticar problemas no início.

Evitar o consumo de açúcar, carboidratos simples, amidos e alimentos pegajosos também ajuda na prevenção. Além disso, é muito importante se abster do tabaco, e não se esquecer que crianças pequenas precisam de ajuda para escovar os dentes até que adquiram habilidade para fazerem isso sozinhas.

A maioria dos casos de inflamação pode ser prevenida pela boa higiene bucal. Afinal, as principais causas da gengivite estão relacionadas com acúmulo da placa bacteriana, sendo favorecida por outros fatores. Por isso, esteja atento aos seus hábitos e saúde, e não se esqueça de contar com um bom dentista para fazer a profilaxia e o tratamento precoce.

Entenda melhor o que é a profilaxia dentária e a importância que ela tem para prevenir a gengivite e outras doenças bucais.

Você também pode gostar

2 thoughts on “Gengivite: Entenda mais!

Deixe um comentário

Fale conosco
Enviar